• Interpelação sobre o combate à crise

    «Esta crise transformou muitos liberais em socialistas», afirmou Tiago Barbosa Ribeiro no Plenário da Assembleia da República.

     

    Notícias
  • Dez notas para pensar o futuro

    Artigo de Tiago Barbosa Ribeiro sobre o mundo após a pandemia. 

    Media
  • Proteger famílias e trabalhadores

    Tiago Barbosa Ribeiro defendeu na Assembleia da República as medidas para proteger os trabalhadores e as famílias.

    Mais em Media > Vídeos e Notícias

    Media
  • Entrevista

    Extensa entrevista sobre diferentes temas da actualidade política que pode ser lida, na íntegra, na área de Notícias.

    Notícias
  • Sobre este site

    Este site pretende ser uma plataforma de transparência e de escrutínio do trabalho parlamentar, mas também de abertura e de proximidade com todos os cidadãos, possibilitando o acompanhamento dinâmico das principais actividades e funções exercidas por Tiago Barbosa Ribeiro na Assembleia da República, incluindo notícias, clipping, vídeos e outros elementos. 

    Sobre
  • Notícias
    Solidariedade com os democratas brasileiros
    25 Set 2022
    Tiago Barbosa Ribeiro é um dos deputados que subscreve uma carta de solidariedade com os democratas brasileiros e de repúdio pela violência política na antecâmara das eleições no Brasil. A carta aberta pode ser lida neste link. 
    Tiago Barbosa Ribeiro apresenta candidatura à presidência do PS Porto
    08 Set 2022
    Tiago Barbosa Ribeiro recandidata-se à Concelhia do Porto do Partido Socialista, que lidera desde 2020, sob o mote «Pelo Porto, continuamos a avançar». A apresentação da candidatura decorre no próximo sábado, 10 de setembro, às 16h00, na Federação Distrital do Porto do PS (Rua Santa Isabel, 82 4050-536 Porto). Tiago Barbosa Ribeiro, que foi candidato à Câmara Municipal do Porto nas últimas eleições autárquicas, é deputado à Assembleia da República, onde coordena os deputados do PS na Comissão de Trabalho, Segurança Social e Inclusão, sendo também Vereador sem pelouro na Câmara Municipal do Porto. A candidatura, que tem como mandatário o militante número um do PS no distrito do Porto, Justino Santos, é apoiada pelas 14 secções de residência do PS no concelho do Porto, bem como pelas lideranças e dirigentes das estruturas da Juventude Socialista e das Mulheres Socialistas. Entre os objectivos da candidatura está o contínuo fortalecimento do PS na cidade, que é hoje a maior estrutura partidária do Porto, a preparação do desafio autárquico de 2025, a criação de estruturas de participação da cidadania e a liderança do debate político concelhio em matérias como a habitação, a mobilidade, a coesão social e os desafios climáticos, temáticas nas quais o PS tem vindo a apresentar propostas nos órgãos autárquicos.
    Debate entre Tiago Barbosa Ribeiro e Castro Almeida
    22 Jul 2022
    Debate entre Tiago Barbosa Ribeiro e Castro Almeida sobre alguns temas da actualidade política. 
    Defesa da dignidade do trabalho é o coração de uma governação socialista
    08 Jul 2022
    O deputado do PS Tiago Barbosa Ribeiro asseverou hoje, no Parlamento, que a Agenda para o Trabalho Digno “introduz profundas alterações na legislação laboral e dá mais um passo naquela que é – e sempre foi – uma prioridade para o Partido Socialista que é reforçar os direitos dos trabalhadores”. “A defesa da dignidade do trabalho é mesmo o coração de uma governação socialista e é na fidelidade a esse princípio que temos feito o nosso trajeto ao longo dos últimos anos com várias medidas de avanços, de melhorias e de mais direitos laborais e os portugueses sabem bem a diferença que tem feito o Partido Socialista nas suas vidas”, declarou o parlamentar durante a discussão da proposta de lei do executivo que procede à alteração da legislação laboral no âmbito da Agenda para o Trabalho Digno. O coordenador dos deputados do PS na Comissão de Trabalho e Segurança Social elencou algumas medidas tomadas pelo Partido Socialista para proteger os direitos dos trabalhadores: “Do aumento histórico do salário mínimo nacional – 40% de aumento desde 2015 – ao aumento do salário médio – 22% desde 2015 –, à reposição de feriados, à reposição integral das remunerações e dos subsídios de férias e de natal, o programa de regularização dos vínculos precários na administração pública, o reforço da proteção dos trabalhadores a recibos verdes, a quota de acesso para pessoas com deficiência, a regulação do teletrabalho, incluindo o dever de abstenção de contacto por parte do empregador, o fim do banco de horas individual, a nova lei de combate ao trabalho forçado, nova lei para transmissão de empresas, reforço dos trabalhadores temporários, aumento do luto parental, limitação da contratação a termo”. “Fizemo-lo melhorando a vida não só de quem trabalha, mas de quem teve azares na vida e precisa do Estado social”, vincou o deputado do PS, que estranhou que a bancada do PSD tenha falado em pensões. “Quando o PSD fala de pensões devia, antes de mais, pedir desculpa àquilo que fez aos pensionistas, porque os pensionistas tremem”, frisou. O resultado da ação do Governo foi “mais emprego” e “melhor emprego”, congratulou-se Tiago Barbosa Ribeiro, que lembrou que “temos hoje o número máximo de trabalhadores com remuneração declarada, mais um milhão de trabalhadores do que tínhamos em 2015, e temos o máximo de salários declarados, mais 41% do que 2015”. No entanto, o Partido Socialista não está satisfeito e, por isso, vem “dar continuidade ao caminho já iniciado, um caminho com mais direitos, com mais dignidade laboral, combatendo a precariedade e valorizando os rendimentos”. “Nós não queremos mudanças retóricas, queremos mesmo mudanças reais”, salientou. O parlamentar explicou a todas as bancadas que o que o PS traz “é uma verdadeira reforma laboral, uma reforma que fica para a história porque, ao contrário daquelas que a direita sempre fez no nosso país, é uma reforma que dá direitos em vez de tirar direitos, é uma reforma que melhora a vida de quem trabalha ao invés de desregular, de flexibilizar e de precarizar como sempre a direita fez quando esteve no poder quando mexeu nas leis laborais”. Em seguida, destacou os “seis grandes eixos desta reforma”, começando por se referir à “promoção do emprego sustentável e o combate à precariedade, em particular nos mais jovens”, e à “regulação das novas formas de trabalho, a regulação das transformações na economia digital, incluindo a presunção de contrato de trabalho com a plataforma com base em critérios substantivos que podem não ser a plataforma, mas a empresa para a qual o trabalhador preste esse trabalho”. “O contrato de trabalho vai acontecer”, assegurou. “O reforço das relações coletivas de trabalho e da negociação coletiva” e “o reforço da proteção aos jovens trabalhadores-estudantes e, no âmbito dos estágios profissionais, eliminando a possibilidade de pagar menos do que o previsto no Código de Trabalho” são outras medidas mencionadas pelo deputado do PS. Tiago Barbosa Ribeiro falou ainda na “melhoria da conciliação trabalho/vida, com enfoque nas licenças de parentalidade e na proteção dos cuidadores informais”, e no “reforço das condições inspetivas”. Classificando a proposta do Governo como “justa e equilibrada”, o deputado garantiu que o Partido Socialista quer “responder a todos em diálogo”, algo de que nunca desistirá. Perante críticas da bancada social-democrata, Tiago Barbosa Ribeiro recordou que o PS teve “cinco acordos de concertação social desde 2015” e, por isso mesmo, não recebe “lições de diálogo social por parte do PSD”.    
    Entrevista: PSD anti-regionalista é força imobilista
    04 Jul 2022
    Entrevista a Tiago Barbosa Ribeiro sobre a incompreensível mudança de posição do PSD em relação à Regionalização. Numa altura em que o país quer reformas, o maior partido da oposição coloca-se de fora da maior e mais adiada reforma do Estado. É uma postura imobilista e profundamente centralista, contrária ao interesse nacional.   Notícias Tiago Barbosa Ribeiro acusa Luís Montenegro de "cobardia política"  Regionalização. Tiago Barbosa Ribeiro fala em "imobilismo de Montenegro"
    Propostas do PS Porto para a revisão do regulamento da movida do Porto
    16 Jun 2022
    No âmbito do processo de revisão do regulamento da movida, promovido pela Câmara Municipal do Porto, o PS encetou um amplo processo de auscultação da cidade. Este trabalhou envolveu moradores, associações representativas do setor e proprietários de estabelecimentos. Desse diálogo, ponderando a complexidade deste tema, o PS contribui positivamente com um conjunto de 7 medidas concretas, que a seguir se listam. De acordo com Tiago Barbosa Ribeiro, vereador do PS que liderou este conjunto de reuniões, as medidas socialistas entregues à Câmara Municipal do Porto «procuram melhorar as condições para os moradores sem colocar em causa a atividade comercial da movida». Entre as principais medidas propostas pelo PS, destacam-se o alargamento das regras da movida a outras zonas da cidade onde existem estabelecimentos de diversão noturna, a criação de uma polícia da movida no seio da polícia municipal e a promoção da organização de comissões de moradores na movida, mediante regras específicas, que asseguram representação junto do município.   Propostas do PS Porto para a revisão do regulamento da movida 1. Comissões de moradoresOs moradores da zona da Movida podem constituir Comissões de Moradores em cada artéria ou núcleo de artérias, na figura de associações sem personalidade jurídica, reconhecidas enquanto tal pelo Diretor da Movida ou pelo Vereador do Pelouro,  mantendo o seu anonimato sempre que solicitado, garantindo a proteção e a resposta imediata às suas queixas, sugestões e reclamações. Cada Comissão de Moradores terá no Diretor da Movida um interlocutor direto para poder fazer chegar documentos áudio, vídeo, medições de ruído, fotografias e outros que demonstrem situações de perigo e falta de segurança para pessoas e coisas, incomodidade e ruído que afete a vizinhança, o consumo de bebidas na via pública, a venda ambulante, a abertura para além do horário permitido, de forma a serem tomadas medidas para resolver esses problemas. 2. Alargamento do mapa e das regras da MovidaA movida iniciada na zona dos Clérigos mantém a sua difusão para outras zonas da cidade, alargando o seu impacto a áreas com mais moradores, como é o caso da Rua da Alegria, Rua de Santa Catarina e Rua de D. João IV, onde existem estabelecimentos que, pela sua dimensão e impacto na vida dos moradores, devem ser regulamentados como estabelecimentos integrados na Movida. O PS propõe o alargamento do mapa e das regras da Movida a estas vias, mantendo uma avaliação regular sobre outras zonas que devam ser incluídas. 3. Polícia da MovidaCriar, dentro da Polícia Municipal, um ramo próprio de polícias vocacionados para a Movida e para fazer respeitar o regulamento, recebendo denúncias em canais dedicados, fazendo rotas de fiscalização e garantindo a segurança de consumidores, estabelecimentos e moradores, em articulação com o trabalho e as competências da PSP. 4. Limitação a atividades ruidosasNão permitir a instalação de aparelhos emissores de som (com ou sem amplificação) ou música ao vivo nos logradouros privados dos estabelecimentos. 5. Deveres dos consumidoresSensibilizar os consumidores para evitar comportamentos abusivos na via pública que sejam suscetíveis de incomodar o descanso e o sossego dos moradores, para além das limitações legais vigentes. 6. Venda ambulanteProibir a venda ambulante ou qualquer outra atividade suscetível de manter as pessoas na via pública no horário compreendido entre as 22:00 e as 8:00. 7. Reforço das obrigações dos estabelecimentosEm caso de repetidas e fundamentadas queixas das Comissões de Moradores sobre o ruído, falta de segurança, sujidade ou consumo de bebidas na via pública, o estabelecimento ou estabelecimentos comerciais frequentados por esses consumidores terão de custear policiamento pago, não podendo abrir portas sem esse policiamento estar presente durante o horário de funcionamento, bem como uma hora antes e uma hora depois do encerramento do mesmo. As questões de contratação, gestão, horários, número de efetivos e ligação ao Policiamento Pago serão sempre tratadas pelo Diretor da Movida ou pelo Vereador do Pelouro, em diálogo com as Comissões de Moradores.
    O Porto e a Associação de Municípios
    01 Jun 2022
    Debate com a participação de Tiago Barbosa Ribeiro sobre a aprovação, por parte de Rui Moreira, PSD e Chega, da saída do município do Porto da Associação Nacional de Municípios Portugueses (ANMP).
    Apontamento sobre o OE 2022
    24 Mai 2022
    Vídeo do Grupo Parlamentar do PS com síntese de algumas propostas e medidas na área da Segurança Social. 
    Artigo: um bom OE para o crescimento inclusivo
    13 Mai 2022
    Um bom OE para o crescimento inclusivo O Orçamento do Estado (OE) para 2022 dá continuidade ao trajecto prosseguido pelo Partido Socialista (PS) desde 2015, não sendo por isso possível isolá-lo da visão e das opções políticas feitas desde então. Fazemo-lo por fidelidade aos nossos compromissos com os eleitores, que deram uma ampla maioria ao PS, mas também pela evidência do sucesso da receita que temos seguido nos últimos anos. A firmeza em relação à nossa orientação estratégica tem permitido superar sucessivas crises sem colocar em causa o objectivo de crescimento inclusivo que temos para o país. Foi assim quando, entre 2015 e 2019, ultrapassámos resoluções bancárias e o procedimento por défice excessivo que tínhamos herdado, ao mesmo tempo que rompemos com as políticas que esmagavam os portugueses e a economia nacional. Nesse período mostrámos que não era apenas possível repor rendimentos e recuperar direitos enquanto mantínhamos uma trajectória de consolidação das finanças públicas e de sustentabilidade Segurança Social (SS), mas que era mesmo a única forma de o fazer. O repúdio pelas políticas de austeridade levou à melhoria generalizada das condições de vida dos portugueses, mas também das contas públicas que financiam o Estado Social, conduzindo ao primeiro excedente da nossa democracia e mostrando à Europa que era não apenas possível, como desejável, um modelo alternativo ao que vinha sendo seguido. Depois, num contexto de grande recuperação económica e social, veio a pandemia do século. E voltámos a enfrentar essa crise com determinação, mantendo a solidariedade onde outros tinham austeridade.  Fizemo-lo com a folga orçamental que obtivemos nos anos anteriores, mas também com um contexto social de partida muito melhor, ultrapassando a pandemia com o menor custo sanitário, social e laboral possível, com 3,5 milhões de portugueses e 180 mil empresas abrangidos por medidas extraordinárias, com mais de 5,3 mil M€ em apoios pagos (incluindo isenções). Dobrada a tormenta da pandemia, veio a guerra da Federação Russa contra a Ucrânia e os seus efeitos adversos a que damos resposta no OE, sem abdicar de uma visão de futuro para além deles porque os recursos não são infinitos. No OE encontramos o guião para um crescimento inclusivo. Trata-se de um OE marcado pela recuperação do emprego, com mais um milhão de trabalhadores com contribuições face a 2015, pela manutenção da correcção dos desequilíbrios da SS, salvaguardando um sistema público e intergeracional duradouro, bem como pelo crescimento económico e convergência com a Europa. Na coesão social, a SS tem o maior orçamento de sempre, que já representa mais 7.200M€ face a 2015. Há uma política de valorização salarial nos sectores privado e público. Mantêm-se medidas de resposta à pandemia, quando necessárias, e são implementadas medidas de mitigação do choque geopolítico provocado pela guerra. É alargada a rede de creches, com gratuitidade progressiva para todas as crianças até 2024. Há uma nova prestação social para crianças e jovens com menos de 18 anos em pobreza extrema. O abono de família é reforçado. As pensões terão actualização regular e actualização extraordinária pelo sexto ano consecutivo, valorizando 3.800M€ face a 2015. Tudo isto e muito mais é feito tendo por base a sustentabilidade do sistema público de SS, cujo fundo de estabilização aumentou a capacidade em 9 anos face ao OE do ano passado e uns impressionantes 26 anos face a 2015. Estas políticas e resultados traduzem opções concretas de um Orçamento ao serviço do progresso e do desenvolvimento nacional. O PS prosseguirá este rumo para um crescimento inclusivo do qual nenhum português será excluído.    Artigo publicado na edição do jornal «Expresso» de 13 de Maio de 2022
    PS Porto garante regulação do Alojamento Local na cidade
    02 Mai 2022
    O Partido Socialista levou à reunião do executivo municipal de dia 19 de abril, uma proposta que prevê o avanço do processo de regulação do Alojamento Local (AL) na cidade do Porto. A proposta de recomendação entregue pelos vereadores do PS defende “um equilíbrio no direito à cidade” e uma intervenção que permita “reduzir os preços da habitação que continuam a aumentar no Porto”. Os vereadores socialistas citam um estudo da Fundação Francisco Manuel dos Santos (FFMS), divulgado na semana passada, e que incide sobre os efeitos da suspensão de novos registos de AL na cidade de Lisboa, em áreas em que a densidade de alojamentos locais era superior a 25%.  O estudo “confirma agora que houve uma redução de cerca de 20% no número de transações de casas nas zonas abrangidas, entre o terceiro trimestre de 2019 e o período antes de a medida ter sido implementada, diminuindo os preços de venda em 9%. Esta queda foi ainda mais acentuada nos apartamentos com duas assoalhadas, onde os preços caíram quase 20%”. Segundo o vereador do PS, Tiago Barbosa Ribeiro, “o alojamento local não é a única razão para a aceleração dos preços dos imóveis na nossa cidade, mas não podemos ignorar o seu papel na inflação do imobiliário no Porto”.A proposta mereceu os votos favoráveis de todas as forças políticas, sendo, assim, aprovada por unanimidade.       Algumas notícias   PS/Porto vai propor regulação do Alojamento Local e criação de zonas de contenção no centro histórico da cidade PS quer regulação do alojamento local no Porto Casas estão mais baratas no centro de Lisboa - e no Porto? Alojamento Local no Porto: haverá zonas de contenção à espreita?Câmara do Porto unânime em avançar com regulação do Alojamento LocalCâmara do Porto aprova regulação do Alojamento Local e criação de "zonas de contenção"PS quer que Câmara do Porto avance com regulação do Alojamento Local  
    Sobre a Caixa de Previdência de Advogados e Solicitadores
    27 Abr 2022
    Tiago Barbosa Ribeiro questionou o Governo sobre o problema da Caixa de Previdência de Advogados e Solicitadores (CPAS). Milhares de advogados, advogados-estagiários, solicitadores e agentes de execução estão hoje obrigados a participar num sistema previdencial que não os apoia na doença e no desemprego, que é praticamente inexistente na parentalidade e que falhou na assistência social durante a pandemia. Pior: os descontos são obrigatórios independentemente das pessoas estarem ou não a trabalhar e os valores não estão indexados a remunerações reais, levando à acumulação de dívidas que dificilmente poderão ser pagas. A CPAS foi pensada noutro tempo, não se adaptou a novos contextos e não responde hoje à realidade das profissões jurídicas, em especial dos mais jovens. O PS está atento a esta problemática e iremos apresentar soluções.    
    Debate sobre o Porto e a ANMP
    19 Abr 2022
    Debate com a participação de Tiago Barbosa Ribeiro sobre a decisão do município do Porto sair da Associação Nacional de Municípios Portugueses (ANMP), um erro que é prejudicial à cidade. 
    Vídeo: Debate do Programa do XXIII Governo Constitucional
    08 Abr 2022
    Intervenção de Tiago Barbosa Ribeiro no debate do Programa do XXIII Governo Constitucional.            
    Sessão pública sobre a reconversão das Avenidas Atlânticas do Porto
    25 Mar 2022
    O PS Porto organizou no Orfeão da Foz do Douro um debate sobre a reconversão das Avenidas Atlânticas, contando com a presença de Pedro Baganha, Vereador do Urbanismo, Habitação e Espaço Público da Câmara Municipal do Porto.   Foi uma sessão muito participada na construição de soluções para a cidade, que servirá de base aos contributos que serão entregues ao executivo.   Todas as fotos da sessão estão disponíveis neste link.  
    Proposta de extinção do Grupo Parlamentar de Amizade Portugal-Rússia
    05 Mar 2022
    Tiago Barbosa Ribeiro é um dos deputados signatários de uma deliberação para extinguir o Grupo Parlamentar de Amizade Portugal-Rússia e congelar as demais relações bilaterais com a Duma e os seus parlamentares, reforçando a condenação generalizada da agressão militar e da invasão da Ucrânia por parte da Federação Russa.    Proposta de Deliberação A constituição do Grupo Parlamentar de Amizade Portugal-Rússia resulta de um projeto de deliberação aprovado pela Assembleia da República em 21 de fevereiro de 2020. A referida deliberação fixou a missão dos grupos parlamentares de amizade no “…reforço de relações de cooperação institucional com outros Parlamentos, respondendo, de igual forma, à necessidade de aprofundar as especiais relações que têm vindo a manter-se com Parlamentos de Países amigos.” Como é do conhecimento público, a dissolução da Assembleia da República, ocorrida a 5 de dezembro último, veio cessar a atividade dos grupos parlamentares de amizade. No entanto, a 24 de fevereiro último, o mundo foi confrontado com a ofensiva militar lançada pela Rússia em território ucraniano. Uma agressão intolerável à soberania e integridade territorial da Ucrânia. E uma clara violação do direito internacional. Há poucos dias, a União Europeia decidiu incluir nas sanções aplicadas ao estado russo 351 parlamentares da Duma, depois deste órgão homólogo ao Parlamento português ter votado a violação do direito internacional, aprovando uma deliberação contra a soberania e integridade territorial de um estado vizinho. A ofensiva militar da Rússia na Ucrânia merece a mais veemente condenação. O povo ucraniano e populações afetadas pela guerra merecem total solidariedade.  A Rússia deve retirar de imediato as suas forças militares da Ucrânia, cessando qualquer violência sobre o povo ucraniano. Sendo claro que a atividade do Grupo Parlamentar de Amizade Portugal-Rússia cessou por completo no momento da dissolução da Assembleia da República, persiste a dúvida regimental e regulamentar se essa condição determina a extinção oficial do Grupo. Nesse sentido, atento o valor formal e simbólico dessa decisão, no quadro da atual situação internacional, os Deputados abaixo-assinados propõem a extinção do Grupo Parlamentar de Amizade Portugal-Rússia e o congelamento das demais relações bilaterais com a Duma e os seus parlamentares.   Lisboa, 4 de março de 2022   Os Deputados Carlos Eduardo Reis (PSD) Jamila Madeira (PS) João Paulo Correia (PS) Lina Lopes (PSD) Maria Graça Reis (PS) Pedro Rodrigues (PSD) Rui Cristina (PSD) Rui Silva (PSD) Tiago Barbosa Ribeiro (PS) Tiago Estevão Martins (PS)
    Análise ao debate entre António Costa e Rui Rio
    13 Jan 2022
    Tiago Barbosa Ribeiro em frente a frente com André Coelho Lima, vice-presidente do PSD, sobre o debate entre António Costa e Rui Rio na campanha para as eleições legislativas.
    Causas
    Trabalho Digno
    Trabalho digno, combate às desigualdades laborais
    Coesão regional
    Convergência regional e desenvolvimento justo
    Economia mais justa
    Estado, regulação e liberdade
    Outras Causas
    Mais intervenção noutras áreas
    Blog
    Diálogo social
    07 Jun 2022
    Reuni na Câmara Municipal do Porto com o Sindicato dos Trabalhadores em Funções Públicas e Sociais do Norte. Em cima da mesa estiveram vários temas, com destaque...
    Visita ao Centro Educativo de Santo António
    31 Mai 2022
    Recentemente estive no Centro Educativo de Santo António na companhia de dirigentes e eleitos da Secção de Cedofeita do PS, que está a promover um conjunto de visitas a...
    Reunião com a MUBi
    23 Mai 2022
    Recebi recentemente na Câmara Municipal do Porto uma delegação da MUBi - Associação pela Mobilidade Urbana em Bicicleta. Abordámos vários temas de...
    Homenagem ao Ernesto Santos
    22 Mai 2022
    (todas as fotos)   O nosso grande amigo Ernesto Santos faria hoje 75 anos. A Junta de Freguesia de Campanhã presidida pelo Paulo Ribeiro decidiu celebrar a sua vida e obra,...
    Dia Internacional da Luta contra a Homofobia, Transfobia e Bifobia
    17 Mai 2022
    Estive presente esta manhã no momento em que a bandeira arco-íris foi simbolicamente hasteada na Praça do Município em frente à Câmara Municipal do Porto,...
    Ouvir as pessoas
    11 Mai 2022
    Registo de algumas audiências na Câmara Municipal do Porto nos últimos dias, onde o PS tem sempre as portas abertas para receber as pessoas e encontrar soluções para...
    No terreno com os moradores da «Quinta do Gama»
    09 Mai 2022
    (todas as fotos)   Estive na ilha da «Quinta do Gama», no Bonfim, onde residem cerca de 30 portuenses. Fui acompanhado pelo Hugo Gilvaia, líder do PS na freguesia, bem...
    Guardas-nocturnos no Porto
    03 Mai 2022
    Ontem, na reunião de vereação da Câmara Municipal do Porto, questionei o executivo em relação ao ponto de situação dos...
    TWITTER