12 Fev 2020
13 anos do referendo à IVG
13 anos do referendo à IVG

Passaram ontem 13 anos da vitória de uma luta na qual uma boa parte da minha geração se formou civicamente ao longo de muito tempo.

 À distância de mais de uma década, num país com uma democracia mais madura, sabemos que o número de abortos desceu significativamente: isso é sinal, entre outros, dos avanços nos cuidados de saúde e da rede primária do SNS, de uma sexualidade mais consciente e da eficácia da contracepção. Mas sabemos também que hoje já nenhuma mulher morre a fazê-lo em condições indignas, que ninguém o usa como contraceptivo e que ninguém vai preso por fazê-lo.
 
Demonstrámos que era - e é - possível liberdade com responsabilidade. É a base de um país mais desempoeirado no qual os princípios morais de uns, obviamente respeitáveis, não podem determinar limites à liberdade e autodeterminação dos outros. E vice-versa.