29 Mai 2018
(eutanásia)

Organizamos a nossa relação com o mundo e com o outro a partir da nossa experiência vivida, das crenças, dos sistemas de valores, das ideologias, dos medos. O poeta Al Berto escreveu sobre o medo. Num dos seus poemas, diz assim:

«ouve-me /
que o dia te seja limpo e /
a cada esquina de luz possas recolher /
alimento suficiente para a tua morte»

Porventura nada nos inquieta e convoca mais interrogações do que a morte, o absurdo da morte. Podemos ter várias mundivisões sobre a emergência da vida, todas elas respeitáveis, mas sobre a morte, a longa noite, apenas sabemos da sua inexorabilidade. A vida é de facto um milagre. Para mim, é um milagre não religioso mas humanista, ele próprio mais misterioso do que a morte: existir e ser após uma improvável viagem individual e colectiva.

É por esse milagre da vida, de amor e de profunda complexidade fundada no respeito pelo outro, que sempre fui, por exemplo, favorável à despenalização voluntária da gravidez. A vida não é um acto meramente biológico e está muito longe de encerrar a sua multitude nas crenças com que cada qual procura ter uma bússola para a sua própria existência. É compreensível, mas não a pode impor aos outros. O processo de libertação das tutelas sobre a consciência foi em si mesmo uma vitória do humanismo e do iluminismo, garantindo uma sociedade emancipada de jugos quanto a comportamentos individuais de qualquer ordem, desde que exercidos de forma consciente e não conflituante com a liberdade de terceiros.

Vem isto a propósito da despenalização da morte assistida sob consentimento, vulgarmente designada por eutanásia. É uma matéria complexa, como são todas as que mexem com disposições de valores, ao que acresce o nosso medo primário e relacional com a morte. Esse medo é ritualizado antes e depois da derradeira viagem, mas a nossa relação com o fim perpassa toda a nossa vida, seja em relação a outrem, ao luto, aos rituais dos funerais, à preservação da memória, ao conforto religioso de um possível porvir.

Infelizmente, sendo natural, a morte parece ser demasiado pavorosa para que possamos, também sobre essa inevitabilidade, ter um debate sério e informado. Respeitando todas as convicções, tenho visto argumentos intolerantes por parte quem se opõe à despenalização da eutanásia e, sobretudo, uma enorme desinformação (deliberada ou não) em relação ao que está em causa. No que diz respeito ao projecto do PS, por exemplo, trata-se da «antecipação da morte por decisão da própria pessoa, maior, em situação de sofrimento extremo, com lesão definitiva ou doença incurável e fatal, quando praticada ou ajudada por profissionais de saúde».

Nada disto tem a ver com o reforço do sistema nacional de saúde (muito menos por parte de quem sempre foi ideologicamente contra o SNS), nem com o urgente alargamento da rede cuidados continuados. Tem a ver com dignidade e com tolerância. Não me cabe, nem como deputado nem como cidadão, fazer julgamentos sobre os dramas individuais que perpassam na vida de cada pessoa. Por isso não entendo a posição daqueles que, em nome de uma inexpugnável dotação moral sobre o seu semelhante, querem no fundo prescrever a forma como outros devem viver a sua vida e exercer o livre arbítrio aquando do momento da sua morte.

Como quase sempre que discutimos temas que reportam à liberdade individual, não falta quem queira anunciar o Armagedão. Ele não chegará e o mundo continuará como até aqui, apenas um pouco mais livre. Porque se há matérias em que voto convictamente, são precisamente aquelas que dizem respeito à liberdade individual: é-me insuportável a ideia de que um conjunto de restrições e interditos morais, assumidos como «consensos sociais», continuem a determinar como que é um adulto consciente deva organizar, limitar, condicionar e viver a sua vida mediante padrões que não escolheu e que lhe são impostos, mesmo que só a ele digam respeito e não interfiram com a liberdade alheia.

O meu voto favorável aos projectos é também uma forma de honrar o mandato que me foi confiado pelos cidadãos que votaram no Partido Socialista, um partido que sempre esteve ao lado das grandes causas da liberdade. Há melhor forma de prosseguir, neste e noutros combates, o espírito de pluralidade e de autonomia individual tão bem personificado no hino da mítica campanha de Soares em 1986, o rock da liberdade?

«para nós só há a liberdade /
dizer sim ou dizer não /
poder viver em paz com o coração»

Não sei qual será o desfecho das votações quando daqui a pouco entrarmos no Plenário da Assembleia da República, mas quis escrever estas palavras antes de saber o resultado.

22 Mai 2018
Mais uma volta, mais uma viagem
22 Mai 2018
Mais uma volta, mais uma viagem
21 Mai 2018
Serviço Nacional de Saúde
21 Mai 2018
António Arnaut

António Arnaut foi o responsável pela maior obra social da democracia, o Serviço Nacional de Saúde, o que já o inscreve como um dos maiores construtores do Portugal moderno. Mas o seu papel vai muito para além desse: antifascista, fundador do PS, advogado de valores, referencial ético dos socialistas e da República. Quem teve o privilégio de o ouvir não esquece a sua voz intrépida na defesa da justiça social e de um PS ao serviço de quem mais precisa. Foi um grande entusiasta do diálogo à esquerda. Inspirou sucessivas gerações de socialistas. O seu exemplo é uma luz que perdurará. Até sempre, camarada.

18 Mai 2018
Instantâneo

Jardim interior da Assembleia da República.

(foto: Raquel Wise, revista Sábado)

18 Mai 2018
Debate no dia da Europa

No Dia da Europa, a convite do PS e da JS do Barreiro, estive num debate sobre o futuro do socialismo democrático muito bem acompanhado pela Margarida Marques. Foi uma belíssima sessão, muito participada, revelando uma forte densidade ideológica de todos os presentes. O caminho é também este.

15 Mai 2018
Livro verde sobre as relações laborais

Tarde dedicada a audição pública a propósito do livro verde sobre as relações laborais, prosseguindo o debate sobre o mercado de trabalho em Portugal e as alterações legislativas que queremos - e vamos - fazer.

13 Mai 2018
Mais uma alegria, mais uma conquista

O Porto viveu ontem uma noite épica. Os Paços do Concelho voltaram a abrir-se para receberem os campeões nacionais e o presidente do Futebol Clube do Porto recebeu a mais alta distinção da cidade por unanimidade de todas as forças políticas. Nos Aliados, cerca de 250 mil pessoas (números oficiais), talvez mais, celebraram em apoteose a simbiose entre a cidade e o clube que leva o seu escudo. É uma das nossas grandes bandeiras, talhada na luta e na resistência, de que muito nos orgulhamos. É como vem na «Marcha». Ontem. E sempre. Parabéns, Porto!