Congresso da CGTP
14 Fev 2020

Manhã no Seixal integrando a delegação do PS e do nosso grupo parlamentar presente no XIV Congresso da CGTP-IN, uma importante central sindical com quem temos as melhores relações. Este Congresso marca a saída de Arménio Carlos, com quem reuni inúmeras vezes ao longo dos últimos anos.

Nem sempre concordando com ele, é um homem bom e um sindicalista esforçado, bem preparado e firme na defesa dos seus valores, que dirigiu a CGTP durante anos duríssimos para os trabalhadores, regressando agora ao seu lugar de operário na Carris. Homens como ele prestam um importante serviço à nossa democracia.

Deixo uma saudação especial para os meus camaradas da tendência socialista e dirigentes da CGTP, o Carlos Trindade e o Fernando Gomes.

Viva o General sem Medo!
13 Fev 2020

Humberto Delgado, o «General sem medo», foi assassinado há 55 anos pela PIDE.

Um dos momentos mais marcantes da sua campanha presidencial e da história da oposição à ditadura de Salazar aconteceu na cidade do Porto a 14 de Maio de 1958, quando uma multidão estimada em 200 mil pessoas foi receber apoteoticamente Humberto Delgado e a sua centelha de esperança. «O meu coração ficará no Porto», disse então o General.

Hoje, para além de uma Praça com o seu nome e de uma estátua em sua homenagem, devemos lembrar o seu exemplo e de todos os que, erguendo-se contra a ditadura, morreram às suas mãos.

13 anos do referendo à IVG
12 Fev 2020

Passaram ontem 13 anos da vitória de uma luta na qual uma boa parte da minha geração se formou civicamente ao longo de muito tempo.

 À distância de mais de uma década, num país com uma democracia mais madura, sabemos que o número de abortos desceu significativamente: isso é sinal, entre outros, dos avanços nos cuidados de saúde e da rede primária do SNS, de uma sexualidade mais consciente e da eficácia da contracepção. Mas sabemos também que hoje já nenhuma mulher morre a fazê-lo em condições indignas, que ninguém o usa como contraceptivo e que ninguém vai preso por fazê-lo.
 
Demonstrámos que era - e é - possível liberdade com responsabilidade. É a base de um país mais desempoeirado no qual os princípios morais de uns, obviamente respeitáveis, não podem determinar limites à liberdade e autodeterminação dos outros. E vice-versa.
 
 
 
Um mandato desafiante
09 Fev 2020

Há uma semana foi assim na noite das eleições no PS Porto. A nossa primeira Comissão Política Concelhia para instalação e eleição de todos os órgãos realizar-se-á no dia 21 de Fevereiro. Será um mandato desafiante para todos. Ao trabalho!

(Mais fotos)

OE2020
06 Fev 2020

Está aprovado, após muitas semanas de trabalho, o Orçamento do Estado para 2020. Avançamos!

Eleições no PS Porto
01 Fev 2020

O PS Porto foi hoje a votos e decidiu: cerca de 800 militantes votaram na nossa candidatura, 95% dos que foram às urnas.

Fico muito feliz pelo resultado, pela afluência eleitoral e pela dimensão da votação que demonstra a enorme vitalidade e força dos socialistas do Porto. Cumpriremos tudo aquilo a que nos propusemos. O trabalho começa agora.

Obrigado a todos!

Links

Camaradagem e amizade
09 Dez 2019

No fim-de-semana participei nos jantares de Natal do PS Bonfim, orgulhosamente a minha secção de residência com uma forte dinâmica sob a liderança do Hugo Gilvaia, e da Secção do Porto dos CTT com a presença do seu coordenador Rogerio Costa Pereira e de todos os camaradas que lutam, e bem, pela dignificação desta grande empresa ao serviço dos portugueses e da coesão territorial. Esta época permite reforçar os laços de solidariedade e camaradagem que nos unem, ganhando ânimo para as lutas comuns que nos esperam.

Debate sobre o terceiro sector
07 Dez 2019

A convite da Secção do PS de Lordelo do Ouro, no Porto, moderei um debate sobre o terceiro sector, o associativismo e a intervenção social. Teve a participação de vários representantes de organizações no terreno e, entre outros temas, foi importante para destacar o modelo português de combate às drogas, a recusa do populismo securitário e a necessidade de acções mais céleres e descentralizadas por parte do Estado na resposta a quem mais precisa.

Parabéns pela organização!

É urgente regionalizar
06 Dez 2019

A Regionalização está na Constituição de 1976. Não se cumpriu.

Há mais de 20 anos foi feito um referendo instigado por adversários da Regionalização que permitiu todos os populismos porque nenhuma questão complexa pode ser reduzida a “sim” ou “não”. Não se cumpriu.

Recentemente, a Comissão Independente para a Descentralização concluiu, como concluem todos os estudos, que o país precisa da Regionalização para alavancar o seu desenvolvimento. Não se está a cumprir.

Desde 1974, o país só agravou centralismo, disparidades regionais e concentração de riqueza.

A administração local representa apenas 10% da despesa pública. Metade do valor das compras do Estado é realizada por entidades localizadas na Área Metropolitana de Lisboa. E quase 80% dessas compras são feitas a empresas daquela região. Que concentra riqueza, investimento e emprego público, mas também privado porque as externalidades são fortíssimas. Não por acaso, tem um PIB per capita muito acima da média nacional e é a única região que supera a média europeia em riqueza por habitante. Progressivamente, com um Estado macrocéfalo, o investimento privado vai sendo sugado e com ele riqueza, empregos, salários, infra-estruturas, tudo. Ficamos todos mais fracos.

O país tem vindo a enfraquecer-se sem um poder regional legitimado, democrático e subsidiário, que em cada região trabalhe com instrumentos que hoje estão a centenas de quilómetros de distância, decidindo por todos e para todos.

Os resultados estão à vista.

Esperamos há mais de 40 anos. Já tudo foi debatido, visto e revisto, prevalecendo sempre a visão dos que querem manter o status quo porque obviamente beneficiam dele. E por isso esta deve ser uma causa nacional e suprapartidária.

Esperar mais? Pelo quê?